MenuCrônica familiar de Nikolaus Severin Joseph Schunck, 1869-1939. text, no JavaScript Log in   Deze pagina in het Nederlands Diese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte
Originaltxt dieser Chronik, erste Seite

⇒ Esta página do manuscrito em tamanho real



Severin Joseph Schunck


Agnes Herné

A seguir, desejo registrar uma crônica familiar e uma descrição de minha vida, que pode ser interessante e deve ser preservada como uma lembrança duradoura de quaisquer eventos familiares e do meu tempo da juventude passado:

Em 27 de março do ano de 1869 eu nasci em Kettenis (hoje esta vila pertence a Eupen, a capital da parte da Bélgica que fala alemão) como o primeiro filho do casal Severin Joseph Schunck e Barbara Agnes Herné.
Meu pai é filho do casal de Nic. Severin Jos. Schunck e Maria Katharina Kroppenberg, que viveram e morreram em Kettenis, e minha mãe é filha do casal Peter Jos Herné e Barbara Schins que viviam no povoado Stockem perto de Eupen. Dos meus avós eu só conhecia o último (minha madrinha), já que os outros já faleceram antes do meu nascimento.

Os avós Schunck tinham uma tecelagem manual, uma lavanderia de lã e uma pequena fazenda e os avós Herné in Kettenis tinham uma oficina de fazenda e carpinteiro em Stockem.



Casa chamada «Na Ruela», Kettenis

Na Talstrasse em Kettenis. Quando esta foto foi feita, na parte esquerda (n°17) estava a loja de Albert Kroppenberg, um parente presumido de Maria Katharina Kroppenberg (mas como?). Mais tarde, aqui estava a barbearia Buchem. Certo (nº15) a casa Schunck, construída para mais de uma família. Atrás estava o moinho de tecelagem.
Dorfzeitung Kettenis



Heinrich Schunck

Quando meus pais se casaram, em 10 de junho de 1868, meu pai obteve a casa chamada «na ruela» pelo partilha de herança. Eles se instalaram lá e alugaram uma casa vizinha, que foi designada para ele também. Da mesma forma, ele também assumiu a tecelagem de mão, operado na mesma casa, para garantir seus ganhos.
Ele assumiu o trabalho para outros tecelões e operou mesmo com vários artífices.

Quando eu tinha apenas um ano de idade, estava gravemente ferido na minha mão direita. Eu mal conseguia dar meus primeiros passos quando, em um instante desprotegido, caí no fogão quente, de modo que a pele da minha mão grudou na fornalha. A lesão não queria curar e meus pais tiveram muitos problemas com ela, até que no final ela curou com steinöl (= petróleo). Como lembrança deste incidente, tenho uma grande cicatriz na mão direita, que também é um pouco menor que a esquerda.
Em 28 de janeiro de 1871 eu tenho um irmãozinho que foi batizado com o nome Heinrich. Nos primeiros anos, meus pais passaram por muita doença com ele, porque Heinrich era um filho muito fraco.



Maria Schunck


Fina Schunck

A primeira irmã se juntou a nós em 26 de março de 1873 e é chamada Maria, então em 20 de março de 1875 ainda outra irmã veio com o nome Josefine. Agora já era meu trabalho carregar as irmãs pequenas e substituir uma babá um pouquinho. Heinrich e eu também passeamos juntos às vezes com os outros na pista e no prado. Durante esse tempo, passei muito tempo com minha avó em Stockem, de quem eu gostava muito, já que ela sempre dava muito doces para as crianças. O tio Heinrich, em Stockem, brincou comigo que eles teriam vacas e nós não, sobre os quais eu disse que, por outro lado, tínhamos uma cabra de Jansens e uma campina de Doume. Essa era a minha inocência infantil, que eu acreditava que tudo o que pertencia aos nossos vizinhos seria nosso.



Joseph Schunck

No ano de 1874, num dia de verão, meu irmão Heinrich, eu e algumas outras crianças fomos a um prado vizinho para colher flores. Nesse prado, agora chamado prado Weling, havia uma piscina lamacenta. Suas margens estavam cercadas por roseiras silvestres, cheias de rosas. Nosso Heinrich, um amigo especial de rosas, queria pegar uma rosa ali, perder o equilíbrio e cair de cabeça na água. Um menino mais velho do nosso bairro salvou meu irmão da morte certa de afogamento. Esse menino era o filho Josef do vira-lata Ganser. Este último morou conosco no aluguel naquele momento. Eu estava um pouco fora do buraco de lama no prado e só vi como Heinrich, totalmente coberto de lama e meio morto, foi trazido para a nossa mãe. Logo Heinrich voltou à consciência novamente e manteve um forte resfriado.
No ano de 1877, em 31 de março, a cegonha nos trouxe de novo um irmãozinho: Josef.

Nessa época, o comércio de tecelagem manual começou a desacelerar. Em todos os lugares, os teares mecânicos eram montados e, assim, a profissão de tecelagem manual era cada vez mais superada. Meus pais, que dependiam totalmente disso com sua existência, não estavam de cama com rosas de fato. Muitas vezes por semana meu pai viajou para Aachen, no entanto, sem conseguir trabalho. Aqueles foram tempos tristes.
No ano de 1878 meus pais construíram a casa perto da igreja. Isso é para dizer: o tio Herné construiu em vez de dar dinheiro da herança da avó.



Luise Schunck


Leo Schunck

On 11 March of the year 1879 we got the third sister with name Luise and on 1 January 1882 the 7th child with name Hubert Leo.
As of the spring of the year 1875 I visited the elementary school in Kettenis and Mr. Gerhards was my first teacher. Then Mr. Göttingen followed, Mr. Brüll and finally Mr. Longhaye as teachers. Chaplain Schmitz gave the religious instruction. The latter engaged me already in the earliest youth as a server. I practised this position still beyond the school years in the local church and once each week on the “Upper Heath”. Me and my brother Heinrich also were active as tenors in the mixed choir which existed at that time under the direction of Mr. Longhaye. At that time attendance of school was differently ordered than today. One could receive a certificate from the local school inspector and pastor, Mr. Wieland, that the parents had a very urgent need for the son’s or the daughter’s help. Then one gave this certificate to the teacher and stayed away from school according to that permission. Of course I stayed away from school several days a week because my parents had a lot of work for me to do.



Fam. Schunck-Deneffe

On Buß und Bettag (Penance and Praying Day) of the year 1882 I went to the First Holy Communion in our church in Kettenis. This was a very solemn ceremony, which I like to remember in my whole life. As a partner for the Communion I selected Johann Kohl from Libermé, who then was my friend for a while. On the Communion Days we went alternating to each other and amused ourselves with shooting birds, doing gymnastics etc.. Then also Augst Wertz and Christian Rosskanp, Josef Cormann and our Heinrich joined us. Oftimes we went to Wertz in Merols, who had a heavy horse in the meadow, to learn the equitation over there.
There once a accident almost occurred to us. The heavy horse ran down our Heinrich and kicked him into his back, so that the horseshoe was drawn on his cardigan. He however didn’t even suffer a contusion of it, but he stood up and did not know what happened. Thus for the second time he was saved from a mishap.
Since I’m speaking of Heinrich anyhow, I still want to mention how, like by a miracle, he did not become a involuntary murderer. As a boy of about 14 years old, Heinrich visited Nic. Jos. Hausmann, who was our tenant, in his apartment. Curious as he was he drew up a drawer of a cabinet and saw a gun in it. He asked Hausmann whether he would allow him to have a look at the gun.
“Yes,” he said, “just take it, it’s not loaded.” But scarcely had he had it in his hands when the shot went off and the bullit went through Hausmann’s beard. I don’t need to mention that both were chalk-white. For many years both of them concealed this occurrence.
One Sunday also a nice thing happened to us. We were 4 lads of 12 to 14 years old. We made a trip with Wertz’ horse to Reinartzhof near Roetgen, where some relatives of Wertz lived. The 2 hours way was a forest road and we alternating rode the horse, while the others walked. Once, when it was my turn again (but I hadn’t yet mounted) Caspar Wertz ran with the empty horse a little distance. There the heavy horse suddenly sunk up to its belly into a sump. Now we were in a fix, because the animal’s legs were completely fixed in the mud. After long work and with the help of wood storing there the animal suddeny came out with a single jump. Now we had to carry the saddle until we would have cleaned the horse, that was covered with dirt, with fern in the Weser creek. Then we could continue our original sport.

 
Isso é tudo, eu traduzi até agora. Se você pode ler alemão, clique no próximo



 



Nikolaus und Greta Schunck

Foto tirada durante a reunião da família Schunck de Bélgica em Kettenis, o 21 de agosto de 2011.