MenuNikolaus Schunck<br>Um ancestral de Kettenis perto de Eupen text, no JavaScript Log in   Deze pagina in het Nederlands Diese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte

Nikolaus Schunck, que morreu em 1776, viveu em Kettenis, hoje na parte de língua alemã da Bélgica. A família Schunck vive em torno das três fronteiras: Alemanha, Bélgica e Holanda.


Nikolaus Schunck
Um ancestral de Kettenis perto de Eupen

Nikolaus Schunck (* 04-06-1746 in Kettenis, † 17-07-1776 in Kettenis) foi o primeiro Schunck de Kettenis perto de Eupen (atualmente na Bélgica), de quem a profissão de tecelão («Tuchmacher») é conhecida.
Eupen experimentou um grande boom como uma cidade têxtil na época. As condições prévias foram satisfeitas de uma maneira ideal: a disponibilidade de lã (de ovelhas dos Altos Fagnes que tinham uma excelente lã das terras altas, água macia do pântano, também dos Fagnes e trabalhadores baratos).
Presumiu-se por muito tempo que os ancestrais desta família vinham de Oppendorf, perto de Bedburg, na Renânia. Não há nenhuma evidência para o nosso conhecimento sobre isso, no entanto, e as relações não foram cultivadas também. Há apenas uma tradição oral, no entanto, que não pode ser correta dessa maneira. Veja o artigo As famílias Schunck em Kettenis e Bedburg-Lipp. Isso não significa que não haja conexão entre essas duas famílias, mas se for, deve ser de data anterior.
Aqui segue a história que foi contada na família, mas isso não pode ser verdade assim:

Depois de Nicolaus Schunck, que viveu e morreu (1776) em Kettenis, perto de Eupen (Bélgica), eles eram tecelões. Este não era o caso antes, no Schunckenhof (fazenda Schunck em Oppendorf perto de Bedburg) porque Constantin Schunck, o pai de Nicolaus Schunck, era um «Halfe», um fazendeiro rico que não precisava tecer no inverno. Eles eram inquilinos, o que significava que suas fazendas não diminuíam a cada geração, de acordo com o direito de herança e divisão da Franconia, mas o aluguel, como regra, mudava para o filho mais velho. Nikolaus, o sexto filho e quarto filho de Constantin, sabia que ele tinha que fazer outra coisa. Ele encontrou em Kettenis perto de Eupen, onde a indústria de lã cresceu na época. Ele morreu em Kettenis depois de apenas quatro anos de casamento.
Não é surpreendente que, de acordo com a certidão de óbito, o primeiro Schunck em Kettenis fosse um tecelão.

Nicolaus Schunck morreu em Kettenis quando ele tinha apenas 30 anos de idade, após 4 anos de casamento em 7-17-1776.
Também seu neto, Nikolaus Severin, era um tecelão. Ele foi o último ancestral comum dos Schuncks holandeses e belgas. Ele esperava que seus filhos se juntassem a sua loja, mas apenas Severin Joseph fez isso. O primeiro filho, chamado Nikolaus, é claro, foi para a tecelagem Delius em Aachen, na Alemanha. (Indústria de tecelagem na região de Aachen – alemão)
Mais tarde ele e seus irmãos Wilhelm e Ludwig, e por algum tempo Arnold também, foram para Białystok, na parte russa da Polônia. Eles haviam sido convidados para modernizar uma loja de tecelagem. Ouvimos dizer que alguns Schuncks moraram lá até o final da Segunda Guerra Mundial, mas não temos mais nenhuma informação.