text, no JavaScript Log in  Deze pagina in het NederlandsDiese Seite auf DeutschThis page in EnglishCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte

Pessoas | Eventos/ Históricos | Grupos de resistência | Cidades e Vilas | Campos de concentração | Valkenburg 1940-1945 | Lições da resistência |

previousvolte Indexnext

Notas de Pierre Schunck sobre a libertação de Valkenburg

14 de setembro de 1944
Informações de Bob Hilleque (DB)
30ª Divisão (Old Hickory)
119º regimento
1º batalhão
company A
Capitão Simmons
No primeiro jipe ​​de Sibbe estava sentado
Bob Hilleque
Arny Fegeson (judeu Abraham)
Sammy Seroy
Bill Parker

Sentei-me como o guia no capô do jipe. Todos os jipes foram deixados no Grendelplein (entrada da cidade). Atravessamos o portão da cidade. Capitão Simmons ao meu lado, na rua Muntstraat até o Hotel Smeets-Huynen. Através dele, assustando a família Smeets, para a igreja. Atiradores subiram com o sacristão Van Ogtrop para a torre da igreja, a fim de levar os alemães do outro lado de Geul à mão armada. Os soldados ainda não haviam tomado o café da manhã a essa hora. A família Van Ogtrop preparou sopa de alho-poró do jardim do pastor. Trouxe para fora em baldes.

O capitão Simmons e eu estávamos sentados contra uma parede na margem do Geul, quando a ponte explodiu.

Então passamos pelas casas (houve disparos quando atravessamos o Grote Straat, mas não fomos atingidos). Nós queríamos ir para a escola das meninas. Não chegamos lá por causa de filmagens perto do Walramplein. Objetivo: Secar o primeiro ramo do Geul pela fechadura, a fim de permitir a passagem dos soldados. Mais tarde, soldados foram levados por um tanque para o Hotel Limburgia, que fechou a fechadura.
16 de setembro Por engenheiros do exército, detritos do Hotel Jennekens foram empurrados para o riacho Geul, que também permitia a passagem de tanques.


Pierre Schunck

Album : Resistência

zoom 100%