Cornelis Klaas Noordermeer (Cor “Clement”)
text, no JavaScript Log in  Deze pagina in het NederlandsDiese Seite auf DeutschThis page in English - ssssCette page en FrançaisEsta página em Portuguêspara cima volte
Cornelis Klaas Noordermeer (ainda?) não está nas paredes da capela.
Lista


Memorial de guerra em Aachen-Eilendorf

Limburg 1940-1945,
Menu principal

  1. Pessoas
  2. Eventos/ Históricos
  3. Grupos de resistência
  4. Cidades e Vilas
  5. Campos de concentração
  6. Valkenburg 1940-1945
  7. Lições da resistência

As pessoas caídas da resistência no Limburgo.

previousbacknext
 

Cornelis Klaas Noordermeer (Cor “Clement”)


 12-04-1918 Lochem      11-08-1944 kamp Vught (26)
- Conselho de Resistência (RVV) - Espionagem - Polícia - Limburg + - Zwarte Plak -



Het Grote Gebod – L.O.

    O Raad van Verzet (RVV, Conselho de Resistência) em Deurne, era liderado pelo policial Cor Noordermeer.
    Depois de um ataque a um escritório de racionamento de alimentos, Cor tem que se esconder. A partir de então, ele passa a ser conhecido na resistência como Clement, em homenagem à sua noiva Clementine. Quando Cor e outro combatente da resistência viajam para uma reunião do RVV em Utrecht, ambos são presos. Cor foi parar em Vught via Scheveningen. Ele passou três dias no bunker em Vught e foi interrogado duas vezes por 24 horas. Em 11 de agosto de 1944, Cor foi baleado pelos alemães perto do campo de Vught. [1#1]
    O site brabantsegesneuvelden.nl/ afirma: O RVV era uma associação solta de grupos de resistência dispersos e independentes que, na ausência de coordenação nacional, tinham que agir de forma completamente independente. De sua base De Zwarte Plak, na aldeia de Limburg na América, os membros do grupo trabalharam como ajudantes para os pilotos e pessoas aliadas que estavam escondidos. Juntamente com o serviço de rádio local, foram coletadas e trocadas informações.
    Em 13 de maio de 1944, por intercessão de seu colega José Peerbooms, ‘Don José’, Cor e Nico van Oosterhout estavam a caminho de uma reunião da RVV em Utrecht mais não retornaram. Na chegada à estação de Utrecht, ambos foram imediatamente presos pelos alemães e levados para a prisão de Scheveningen, o Oranje-Hotel, para interrogatório. Lá, foram interrogados duas vezes e torturados por 24 horas. Finalmente, foram deportados para o campo de concentração de Vught, onde foram executados no local de execução em 11 de agosto de 1944.
    A resistência responsabilizou José Peerbooms (que já havia estado sob suspeita antes) pela prisão e o liquidou em 13 de julho de 1944.
     [2]
    Em seu arquivo no OGS, há um formulário (preenchido por quem?) que declara, entre outras coisas:
    foi baleado em Vught em 11 de agosto de 1944 e, de acordo com relatórios recebidos após a guerra, foi cremado imediatamente depois. [3]
    Suas cinzas estão, portanto, em um dos poços de cinzas do crematório do campo de concentração de Vught [1#3].
    A foto à direita é do livro Het grote Gebod (O Grande Mandamento). [4]
    Seu nome está inscrito no memorial provincial "De Brabantse Soldaat" em Waalre. [5]
    Como comandante do grupo de resistência RVV em Deurne, ele foi sucedido por Frits de Bruijn. [6]
    Ele está enterrado no cemitério Oude algemene begraafplaats, Boschstraat, Zaltbommel. [7]

    Vught • FusilladeplaatsFormer execution siteAncien site d’exécution

    Anotações

    1. Nationaal Monument Kamp Vught
      1. Noordermeer, Cornelis Klaas
      2. Website • NederlandsDeutschEnglishFrançais
      3. Asputten Kamp Vught
    2. brabantsegesneuvelden.nl Cor Noordermeer
    3. Archief Oorlogsgravenstichting (@ Nationaal archief),
      Dossier Cor Noordermeer #7
    4. Drs L.E.M.A. van Hommerich, Het Grote Gebod, dl.1.1, De LO, Kampen 1951, p. 327
    5. Provinciaal gedenkteken De Brabantse Soldaat, Waalre
    6. deurnewiki.nl Cornelis Klaas Noordermeer (1918-1944)
    7. oorlogsslachtoffers.nl
    8. Oude algemene begraafplaats, Boschstraat, Zaltbommel.
    9. Oorlogsgravenstichting.nl